Descubra se você está viciado em Whatsapp e como tratar esse problema

Descubra se você está viciado no Whatsapp e como resolver esse problema que afeta milhões de brasileiros.

vicioemwhatsapp

Apesar de ser o aplicativo de comunicação instantânea mais utilizado no mundo, sendo utilizado por milhares de empresas como ferramenta de marketing digital, o Whatsapp, pode prejudicar a suas relações interpessoais como também o seu trabalho.

Ansiedade, redução ou perda total de contato com as pessoas próximas de você, necessidade de ficar olhando o celular a cada 5 minutos tem sido rotina na sua vida nos últimos meses? Se a resposta for sim, você pode estar desenvolvendo um transtorno chamado nomofobia  (medo de ficar sem o celular).

*Nomofobia é a fobia causada pelo desconforto ou angústia resultante da incapacidade de comunicação através de aparelhos celulares ou computadores.

Para entender melhor o vício em whatsapp ou em celular, especialistas do Instituto DELETE enumeraram o vício em 5 níveis, que são:

1-      Segurança: a pessoa começa a perder o contato com o mundo real. Nos casos mais sérios o indivíduo passa a se isolar em casa para não ser incomodado ou criticado;

2-      Relevância: a vida virtual passa a ter mais importância que a vida real. Deixar de desfrutar de um momento especial para trocar mensagens em grupos, ou até mesmo tirar uma selfie;

3-      Tolerância: acreditar que deve estar sempre conectado;

4-      Abstinência:  O indivíduo passa a ficar tenso e ansioso quando está longe do celular, ou sem poder usá-lo por falta de bateria.

5-      Contato Social: Momento mais crítico, quando o indivíduo passa a ter problemas no trabalho devido à queda na produtividade, ou até mesmo, brigar em casa ou com amigos que o criticam por ficar só no celular.

Apesar do vício em whatsapp ser mais comum em jovens de 13 a 25 anos, pois esses são mais sensíveis a opinião alheia, o vicio em whatsapp também pode acometer pessoas mais velhas. Por isso fique atento aos sinais, o vício em whatsapp pode prejudicar a sua vida pessoal e profissional . O especialista do instituto Delete Eduardo Guedes afirma que a principal causa para o uso excessivo do celular é ansiedade.

Segundo Guedes, muitas pessoas usam o celular como muleta, porque se sentem sozinhas, e veem o celular como companhia. São ansiosas, tem pânico, e o celular faz o contato com o mundo.

whatsapp

Você acredita que possa estar viciado em Whatsapp?

A melhor forma de tratar a nomofobia é procurando um especialista, que é a pessoa mais indicada para orientá-lo a tratar desse problema.  Além de da opinião indispensável de um especialista, nos do blog cursos grátis relacionamos algumas dicas que podem ajudá-lo a se livrar dessa dependência, que são:

Primeiro, tenha consciência da sua dependência. Anote diariamente em uma folha de papel quais os momentos do seu dia você costuma olhar para o celular, e quais o grupos e pessoas que você costuma a trocar mensagens. Fazendo isso, você poderá saber com precisão de quais contatos e grupos você está mais dependente.

Segundo, questione-se sempre quando a vontade de olhar o whatsapp surgir. Ceder ao vício é muito fácil, isso fazemos automaticamente sem pensar. A partir de hoje, cada vez que você se flagrar olhando para o celular questione-se:  EU REALMENTE PRECISO FAZER ISSO AGORA? Essa mensagem que eu acabo de receber, é tão relevante assim para o meu dia que eu não posso aguardar alguns momentos para visualizá-la?

Terceiro, faça uma pausa de 10 minutos a cada hora. Se o seu trabalho depende do Whatsapp, procure tirar alguns momentos do dia para relaxar. Tente ficar longe do celular alguns minutos, vá tomar um café, levante-se, faça alguns alongamentos, enfim crie o hábito de ficar distante do celular de hora em hora.

Outra questão pertinente que pode contribuir para o vício em whatsapp, é a falta de um objetivo, de uma rotina no dia a dia. Como já dizia o sábio, mente vazia oficina do diabo.

E por fim, tenha sempre consciência que, prevenir é melhor do que remediar. Comece hoje a substituir o vício em whatsapp por bons hábitos.

Leitura complementar:

Blg Cursos Grátis.




Deixe seu comentário!